A atriz Daniele Silva, neste solo, discute, através da biografia de importantes personalidades femininas, o amor e a dor. As personas ganham vida em meio ao gesto, luz e cena. Histórias que se cruzam e se entrelaçam em um misterioso universo entre vida, amor e obra.

O Monólogo mostra uma mulher na busca de si mesma. Olhando para seu espelho, reflete sobre o tempo, sua vida, seu passado e seus exemplos. Busca ser inteira, presente, sincera. Quer reconhecer-se através de seus mitos, de seus medos, da su e de outras histórias.

Mais do que mostrar o universo de grandes personalidades femininas, a atriz busca revelar histórias de grandes seres humanos.

Para isso escolheu quatro mulheres:

Cecilia Meireles: Da água calma, do amor as letras, do ir e vir de histórias e vidas, a poetisa solidão mostra sua melancolia em corpo, voz e poesia. Histórias de uma mulher que cresceu sozinha, cercada de mundo e de mar. Mulher livro, mulher barco… As alegrias nas dores de ser Cecília mar de água.

Cacilda Becker: Pequena, franzina, com voz delicada. Tufão se fosse vento, tsunami se fosse água, se terra seria terremoto. Mas é fogo, paixão, ardor, presença. Então é incêndio. A Atriz mítica do Teatro brasileiro se desdobra nos quatro elementos e mostra que mulher é tudo e um pouco mais. É mais que humano, é vida em forma de carne, carne que muda para interpretar a própria vida. Revolucionária. O amor no tempo do amor com ou seu dor. Essa é Cacilda.

Tarsila do Amaral: A mulher tela, moderna, potente. Vento forte. Brisa leve. Delicada e serena. Viveu em uma das fases mais expressivas das artes brasileiras. É história, é Brasil. É o vento que sopra de fora, se “antropofagisa” e regurgita costumes e vidas transformando, através de suas tintas, a dor, o amor, a vida. A mulher que casa e descasa em um tempo que isso não poderia. Venta Tarsila pelas janelas de cores e tintas.

Maria da Penha: Mulher que mudou a história da justiça no Brasil. Firme, potente. Terra. Raiz. Força. Mostrou para o mundo que, mais do que ser mulher, é ser gente. Nos caminhos da vida, a dor sucumbiu suas pernas. Um amor sobre rodas a levou para o mundo. Hoje é nome de Lei e protege da violência mulheres. Maria Terra carregada de boas sementes.

Ficha Técnica

Atuação: Daniele Silva

Texto e Direção: Carlos Doles

Iluminação: Victor Motta

Fotos e Vídeos: Adriano Sobral