13613119_723847534420061_873239441050911182_o

Cartaz. Trupé de Teatro

 

Serviço

Episódio Sexta – “Da Cidade Partida ao Meio”

Dias 15, 22, 29 de julho, 05, 12, 19 e 26 de agosto

Com duas possibilidades de início (a peça começa em dois pontos distintos ao mesmo tempo): Na Cidade Alta no cruzamento entre o Boulevard Braguinha e a Barão do Rio Branco ou na Cidade Baixa no cruzamento Boulevard Braguinha e Rua Souza Pereira.

“Episódio Sábado – Da Cidade Inexistente”

Dias 16, 23, 30 de julho, 06, 13, 20 e 27 de agosto

Início no Largo do Rosário (Praça Dr. Ferreira Braga)

“Episódio Domingo – Das Cidade sem Asas e sem Raízes”

Dias 17, 24, 31 de julho, 07, 14, 21 e 28 de agosto

Início na Praça do Canhão (Praça Arthur Fajardo)

As apresentações sempre iniciam às 20h

 

Cada episódio tem em média 70 minutos de duração

E a entrada é Gratuita.

O espetáculo contou com o apoio Institucional da Lei de Incentivo à Cultura de Sorocaba (LINC edital 2015), Secretaria da Cultura e Prefeitura Municipal de Sorocaba.

 

Release

 

A Trupé de Teatro desenvolve há quase quatro anos uma intensa e viva pesquisa de criação cênica a partir da ocupação das ruas e praças do Centro de Sorocaba. Depois da criação e apresentação de dois espetáculos nesses moldes (ambos com apoio da LINC), o grupo busca a continuidade e verticalização de sua pesquisa no Velho Baixo Centro (eixo Boulevard Braguinha, Largo do Rosário, Praça do Canhão e margens do Rio Sorocaba). Assim, iniciou em junho do ano passado o seu novo projeto de pesquisa pelos espaços públicos dessa região do centro e neles buscou o material para sua criação. Foram doze meses de intenso processo de investigação a partir dos preceitos do teatro colaborativo e público. As Guerras invisíveis do Velho Baixo Centro em constante transformação se tornam a metáfora de pesquisa e mote da produção, buscando nas dicotomias e na ironia de um maniqueísmo intrínseco nos estados de guerra o sêmen da criação.

“Das Guerras de um Velho Baixo Caos”, espetáculo teatral dividido em três episódios realizados as sextas, sábados e domingos. Episódio Sexta – Da Cidade Partida ao Meio; Episódio Sábado – Da Cidade Inexistente; Episódio Domingo – Da Cidade sem Asas e sem Raízes. Cada episódio acontece em um percurso distinto e tem suas peculiaridades, sua própria narrativa, dada, na maioria das vezes, pela própria relação com o espaço, sua geografia, sua história e sua mítica. Mas, apesar disso, cada parte, cada episódio, está dentro de uma narrativa mãe, possibilitando assim um intercâmbio direto na história. A ideia é que cada espectador possa montar sua sequência. A leitura será diferente de acordo com a ordem assistida. Repetições e desdobramentos das personagens e suas narrativas particulares poderão ser percebidas com autonomia de leitura pelo espectador.

“As Guerra de um Velho Baixo Centro” trata das pequenas ficções reais do cotidiano noturno dessa região da cidade, extrapoladas para uma mítica provisória e particular que será compartilhada pelo grupo com o espaço e com os espectadores.

A narrativa que norteia os três episódios parte da ação de uma Mãe Anônima em busca de alimento para seus filhos ou de um filho em busca da história de sua mãe falecida. Mãe e filho como metáfora da Cidade e seus cidadãos.

A narrativa mãe e suas pequenas histórias foram sendo tecidas a partir da relação ator/espaço que, posteriormente, geraram a busca por estímulos literários como “A Divina Comédia” de Dante Alighieri, “Agamemnon” de Ésquilo e as obras “O Visconde Partido ao Meio”,  “O Cavaleiro Inexistente” e “O Barão nas Árvores” do italiano Ítalo Calvino entre outras que geraram as cenas, as personagens, a peça.

Em cada episódio buscamos um recorte do tema principal: A Guerra. No episódio Sexta a guerra entre o público e o privado quando uma cidade é dividida ao meio após o assassinato de uma figura ilustre do local. A divisão dos interesses e a manipulação de informação encaminham a cidade para a batalha. No Sábado uma guerra entre o sacro e o profano se inicia após a morte em condições suspeitas de um morador simples de uma Cidade Provisória e o desaparecimento misterioso da Santa Padroeira local. E no Domingo a guerra entre real e imaginário ocorre quando uma dezena de figuras se encontra em uma ficcional festa celeste em busca de acertos de contas, julgamentos e lavagem de roupa suja.

 

Ficha Técnica

Atores: Anália Marques, Carlos Doles, Daniele Silva, Drika Karol, Gladson Flebertty, João Mendes, Ketlyn Azevedo, Larissa Alves, Laura Guedes, Leandro Moraes, Natália Martins, Victor Motta
Diretor: Carlos Doles
Dramaturga: Débora Brenga
Produtora Executiva: Daniele Silva e Laura Guedes
Direção de Arte: Felipe Cruz
Cenógrafo: Jaime Pinheiro
Assessor de Comunicação e Registro: Thiago Consiglio
Fotógrafo e Registro do Processo: Adriano Sobral
Preparadora Corporal: Carmem Machado
Preparador Vocal: Edmo Perandin
Preparador de Ator: Rodrigo Scarpelli

Orientadores de Núcleo de Pesquisa: Adélia Nicolete, Marcelo Lazzaratto, Ronaldo Serruya e Silvio César Marques
Contabilidade: Joelma Manfio